META
26
Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes
Aumentar em 10% a participação dos modos ativos de deslocamento (de bicicleta, a pé e outros modos ativos), até 2020

Prog. de Governo

Número ODS

Execução da Meta



Valor Base 2017 2018 2019 2020 - Projeção para
1° Sem 2° Sem 1° Sem 2° Sem 1° Sem 2° Sem 1° Sem 2° Sem - 2017-2018 2019-2020
Valores acumulados 36.54 - 39 42.69
Valores por período - 39 42.69

Status: Primeiro resultado previsto para 2º Semestre de 2018
Último dado disponível: -
Última atualização: janeiro/2018

  • Ficha TécnicaVer detalhes

    Ponto de partida

    Valor base
    36,54%

    Período base
    2017

    Projeção da meta

    2017-2018
    39%
    +2,46% no biênio

    2019-2020
    42,69%
    +3,69% no biênio

    Informações do indicador

    Descrição do indicador
    Participação, em termos percentuais, da soma dos modos de deslocamento não motorizados (a pé, bicicleta, outros não motorizados, skate) – a chamada mobilidade ativa - em relação ao total dos deslocamentos realizados na cidade de São Paulo. Considerando, ainda, a totalização das etapas percorridas. Para aferição da meta, será considerado o percentual aferido na pesquisa, em relação ao valor de base, acrescido de 2,5% pontos percentuais, referentes à margem de erro da pesquisa.

    Fórmula de cálculo
    {[(percentual obtido na pesquisa de 20XX - margem de erro da pesquisa) - 36,54] / 36,54} * 100

    Notas técnicas

    Foi realizada pesquisa quantitativa, via Intercept - com realização de 1.412 entrevistas na cidade de São Paulo, entre 13/06/17 e 22/06/17, distribuídas entre 8 regiões da cidade, proporcionalmente às respectivas populações (Centro: 52; Leste: 1.204; Leste: 2.304; Norte: 1.118; Norte: 2.148; Oeste: 150; Sul: 1.124; Sul: 2.312), com resultados totais com intervalo de confiança de +/- 2.5 p.p (significância de 95%). Tendo sido o método Intercept o utilizado, os entrevistadores evitaram abordar respondentes em pontos de transporte, como estações de metrô, trem ou terminais de ônibus, ou dentro de seus carros; as abordagens foram, no entanto, sempre realizadas em pontos de grande fluxo no entorno, a fim de evitar influência em alguns dos modais - logo, todas as respostas pelo uso dos meios foram espontâneas. O morador de São Paulo tem seu trajeto diário (considerado o deslocamento principal) decomposto entre etapas, não havendo discrepâncias por região da cidade, em que: 31% cumprem 1 etapa; 33% cumprem 2 etapas; 27% cumprem 3 etapas; 9% cumprem 4 ou mais etapas; a média de etapas para o deslocamento principal é de 2,1 Na totalização dos meios utilizados nos deslocamentos, pela totalização das etapas percorridas, a divisão modal identificada foi a seguinte: ônibus: 39,48%; a pé: 36,06%; metrô: 10,04%; carro particular: 6,17%; trem: 5,7%; motocicleta: 1,03%; táxi ou aplicativo: 0,63%; bicicleta ou skate ou outros modos não-motorizados: 0,48%; bicicleta motorizada ou outros modos motorizados: 0,28%; ônibus fretado: 0,13%.

    Unidade de medida
    %

    Frequência
    Anual

    Fonte
    Secretaria de Mobilidade e Transportes

Informações Adicionais

janeiro/2018

O objetivo da Prefeitura de São Paulo, no que tange à política de mobilidade e transportes, é promover uma mudança na forma como a população paulistana pensa a mobilidade urbana. É necessário que os transportes individuais e motorizados deixem de ser priorizados e sejam gradativamente substituídos pelo uso combinado de diferentes modais de transporte público (ônibus e transporte sobre trilhos) e que este uso esteja associado a modos ativos de deslocamento (a pé, por bicicleta ou por outros modos ativos) para os trechos iniciais ou finais de deslocamento. A presente meta, juntamente com a meta de aumento do uso do transporte público (Meta 27), traduzem esses objetivos. A primeira pesquisa conduzida com o objetivo de investigar a participação da mobilidade ativa (a pé, por bicicleta e por outros modos ativos) em relação aos demais modais de transporte foi realizada em junho de 2017. Por meio dessa pesquisa, obteve-se uma valiosa informação sobre o uso do transporte na cidade de São Paulo, já que dados referentes à participação dos modais de transporte nos deslocamentos diários da população geralmente são obtidos apenas na pesquisa Origem e Destino do Metrô, que possui uma frequência de realização muito baixa. Dessa forma, apesar de ser uma pesquisa de menor complexidade, quando comparada à pesquisa Origem e Destino, a pesquisa conduzida foi capaz de demonstrar, com significância estatística, como se comporta, em modos gerais, a população paulistana quanto à sua mobilidade diária. Considerando-se que a primeira pesquisa foi realizada já ao término do segundo semestre de 2017 e tendo-se em vista que as alterações de comportamento relativas à mobilidade são incrementais, sem grandes oscilações em períodos curtos, e estão vinculadas a alterações de diversos fatores – tanto estruturais quanto de resultado de políticas públicas; decidiu-se realizar a pesquisa para investigação da participação da mobilidade ativa na cidade de São Paulo com uma frequência anual, sendo a próxima prevista para dezembro de 2018.