META
32
Secretaria Municipal de Serviços e Obras
Reduzir em 15% (3,4 km²) as áreas inundáveis da cidade

Prog. de Governo

Número ODS

Projetos Associados:

Execução da Meta



Valor Base 2017 2018 2019 2020 - Projeção para
1° Sem 2° Sem 1° Sem 2° Sem 1° Sem 2° Sem 1° Sem 2° Sem - 2017-2018 2019-2020
Valores acumulados 22.5 22.05 21.97 21.96 21.87 - 21 19.1
Valores por período -0.45 -0.08 -0.01 -0.09 -
Último dado disponível: junho/2018
Última atualização: março/2019

  • Ficha TécnicaVer detalhes

    Ponto de partida

    Valor base
    22,5 km²

    Período base
    2016

    Projeção da meta

    2017-2018
    21 km² (93% da inicial)
    -1,5 km² (-7%) no biênio

    2019-2020
    19,1 km² (85% da inicial)
    -1,9 km² (-8%) no biênio

    Informações do indicador

    Descrição do indicador
    Percentual de áreas inundáveis controladas.

    Fórmula de cálculo
    Soma das áreas inundáveis controladas / Área inundável inicial

    Notas técnicas

    Cálculo da Mancha de Inundação O cálculo da mancha de inundação na cidade de São Paulo foi realizado por meio da combinação de métodos empíricos, a partir da coleta de dados em campo, com a modelagem matemática, utilizando software específico, considerando as características geográficas do local, a infraestrutura de drenagem existente e a infraestrutura planejada. Funcionalidades Obras de drenagem que têm efeito redutor na mancha de inundação da cidade, podendo incluir reservatórios de contenção de cheias, polderes, construção ou reforço de galerias, canalização de córregos e outros.

    Unidade de medida
    %

    Frequência
    Anual

    Fonte
    Secretaria Municipal de Serviço e Obras

Informações Adicionais
março/2019
A Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras (SIURB) informa que em dezembro de 2018 entregou o terceiro piscinão do Córrego Cordeiro (ZS), com capacidade para armazenar 50 mil metros cúbicos de água.

No córrego Ipiranga (ZS), as obras do reservatório R2-Aliomar Baleeiro tiveram início em agosto de 2017 e serão finalizadas em 2019. No Córrego Mirassol (ZS), os trabalhos de canalização foram retomados em agosto de 2017. Elas estavam paralisadas desde 2012 por falta de recursos. Já foram executados 1.932m de novas galerias e as obras devem ser concluídas em 2019.

Sobre as obras do Córrego Zavuvus, a SIURB esclarece que o Tribunal de Contas da União apontou, em 2017, falhas nos contratos das obras elaborados pela gestão concluída em 2016, motivo pelo qual o trabalho teve que ser suspenso. A atual gestão propôs um plano de saneamento dos contratos e o TCU liberou a elaboração dos projetos executivos dos lotes 1 e 2, que foram aprovados e estão em fase de revisão dos custos de obra e atendimento às exigências do licenciamento ambiental. Os projetos executivos referentes ao Lote 3 já foram aprovados pela SIURB. A revisão dos custos da obra deste lote foi encaminhada para a Caixa Econômica Federal para análise e posterior liberação dos recursos.

Já as obras do Córrego Paciência (ZN) tiveram início em agosto de 2018. Está em execução um trecho de canalização de 260 metros entre seu desemboque, no Rio Cabuçu, e a Rodovia Fernão Dias. No último dia 31 de dezembro a Prefeitura de São Paulo firmou compromisso com o Ministério das Cidades para o financiamento das intervenções no córrego.

Em junho de 2018 tiveram início também as obras do reservatório R3, no Córrego Tremembé (ZN), com previsão de conclusão para 2019. Ainda no Córrego Tremembé, em outubro de 2017 foram concluídos os trabalhos de canalização entre as ruas Imbiras e Casuarinas; em julho de 2018 foram finalizadas as obras de canalização entre a Av. Sezefredo Fagundes e Rua Rodolfo Cavinato; foram iniciadas as obras do reservatório R1 localizado no Horto Florestal, com previsão de conclusão em maio de 2019.Também estão em andamento serviços de microdrenagem na Rua Bernardino Antunes Silva.

As obras do Sistema de Controle de Enchentes na Bacia do Ribeirão Perus (ZN) estão em fase de licitação do projeto executivo. No dia 26 de dezembro de 2018, a SIURB assinou contrato com a Caixa Econômica Federal para liberação de R$ 200 milhões para execução das intervenções. O projeto prevê a construção de cinco reservatórios no Ribeirão Perus.

No Córrego Aricanduva (ZL) a obra no reservatório R7 foi suspensa para readequação contratual e de projeto, devido a interferências (redes de gás). Anteriormente, ela já havia ficado nove meses paralisada porque a gestão terminada em 2016 iniciou os trabalhos apenas com projeto básico. Em 2017, a atual administração fez o projeto executivo para retomar a construção em fevereiro de 2018. A previsão é que o reservatório seja concluído seis meses após a retomada dos trabalhos – 50% da obra já foi executada. O reservatório R3 aguarda aprovação dos projetos executivos para ter suas obras iniciadas, e o reservatório R8 está em fase de finalização do projeto – ambos estão localizados no Córrego Aricanduva. O reservatório R6 do Córrego Aricanduva foi entregue pela atual gestão em dezembro de 2017.

No Programa de Redução de Alagamentos (PRA) foram concluídas, em dezembro de 2017, as obras nas ruas Joaquim Odorico Teixeira (ZS) e Pinheiro Machado (ZO); em maio de 2018, foram finalizados os trabalhos na Rua Lourenço Prado (ZO) e, em agosto de 2018, terminadas as intervenções nas ruas Formoselha (ZL) e Garapeba (ZS).

Estão em execução os trabalhos nas ruas Poetisa Colombina (ZO), Chacuru (ZL), ambas com previsão de término para abril 2019; a Avenida Cipriano Rodrigues (ZL) e Armando Cardoso Alves (ZL), com término previsto para maio de 2019; o piscinão da Avenida Diógenes Ribeiro de Lima (ZO) e o Córrego Afluente J (ZL), com previsão de finalização para abril e junho deste ano respectivamente.

SIURB está finalizando os Cadernos de Drenagem (plano de controle de cheias) para as bacias dos córregos Uberaba e Anhangabaú. Os estudos serão concluídos neste ano.

Em relação as linhas de ação re responsabilidade de SMSUB (47.3, 47.4) destaca-se que os indicadores tal como foram definidos não puderam ser medidos porque não houve a definição dos corrégos e galerias. Isso não significa, porém, que as Subprefeituras tenham negligenciado o trabalho de limpeza dos córregos e desobstrução das galerias, a fim de diminuir os danos gerados pelas chuvas.

No primeiro semestre de 2017, foram retiradas 43.054 toneladas de detritos dos córregos em toda a cidade (LA 47.3); e outras 30.091 toneladas foram retiradas no segundo semestre, totalizando 73.145 toneladas de detritos retiradas dos córregos no primeiro ano de gestão. Em 2018, foram 27.272 toneladas no primeiro semestre e 44.226 no segundo, totalizando 71.498 toneladas de detritos retiradas dos córregos no segundo ano de gestão e 144.643 toneladas no total do biênio.

No primeiro semestre de 2017, foram retirados 4.320 m³ de detritos de galerias em toda a cidade (LA 47.4); e outros 3.792 m³ foram retirados no segundo semestre, totalizando 8.111 m³ de detritos retirados de galerias no primeiro ano de gestão. Em 2018, foram 1.581 m³ no primeiro semestre e 16.571 no segundo, totalizando 18.152 m³ de detritos retirados das galerias no segundo ano de gestão e 19.733 m³ no total do biênio.

Por fim, existem 25 piscinões na cidade, localizados dentro dos limites de 16 Subprefeituras. Os dados de limpeza deles, porém, passaram a ser compilados pela Prefeitura apenas a partir de maio de 2018, com a implantação do Sistema de Gestão de Zeladoria (SGZ). Em maio e junho de 2018, foram retiradas 55.006 toneladas de detritos desses reservatórios de retenção, e outras 121.401 toneladas de julho a dezembro, totalizando 176.407 toneladas no ano. O indicador tal qual definido no Programa de Metas (percentual de reservatórios de retenção desassoreados) não pode ser medido porque as limpezas realizadas, embora fundamentais para diminuir os danos gerados pelas chuvas, não significam necessariamente o desassoreamento.

julho/2018

A redução total da mancha de inundação até junho de 2018 foi de 2,4% ou aproximadamente 544 mil metros quadrados. Esta redução foi resultado de um conjunto de obras estruturantes de macrodrenagem executadas pela Secretaria Municipal Infraestrutura Urbana e Obras – SIURB em 2017 e 2018. Com destaque às obras de 2018, foi concluída em julho a canalização do Córrego dos Alcatrazes, marcando a entrega da primeira funcionalidade na Bacia do Cordeiro, e estão em curso as obras do Reservatório Cordeiro 1.

Também no âmbito da macrodrenagem, está em andamento a canalização do Trecho 7 e foi iniciado o Reservatório 3 do Córrego Tremembé. Estão ainda em andamento as obras do Reservatório Aliomar Baleeiro, na Bacia do Riacho Ipiranga.

No Programa de Redução de Alagamentos (PRA), foram concluídas em abril de 2018 as intervenções de drenagem na Rua Lourenço Prado (PR Butantã) e estão em andamento obras nas seguintes ruas: Rua Poetisa Colombina, no Jardim Bonfiglioli - Zona Oeste, Rua Garapeba, no Jardim Vila Mariana – Zona Sul, Rua Chacurú, na Vila Curuçá Velha – Zona Leste, Armando Cardoso Alves, Penha de Franca – Zona Leste, Cipriano Rodrigues, Vila Formosa – Zona Leste, e Rua Formoselha, no Jardim Aricanduva - Zona Leste.

Diversas ações complementares ao Programa de Controles de cheias foram conduzidas em 2018, em especial o prosseguimento à elaboração dos Cadernos de Drenagem das principais bacias hidrográficas do município, com o desenvolvimento dos Cadernos dos Córregos Uberaba (PR VM), Tremembé (PRs JT e ST) e Verde I e II (PRs PJ, LA e PI), além da continuidade à produção dos Cadernos do Aricanduva (PRs AF, SM, PE e IQ), do Pirajuçara (PRs CL e BT) e Anhangabaú (PR SE). Estes cadernos, juntamente com os últimos 7 produzidos desde 2016, subsidiarão o planejamento da macrodrenagem e gestão das bacias do Município de São Paulo.

Além disto, foi dada continuidade às ações para aperfeiçoamento do sistema de alerta a enchentes do município, com a finalização da modelagem matemática de mais 3 bacias hidrográficas, totalizando 30 bacias modeladas, permitindo que estas áreas passem a integrar o sistema de previsão de eventos em tempo real utilizado pelo Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE).

janeiro/2018

A redução total da mancha de inundação em 2017 foi de 2,4% ou aproximadamente 535 mil metros quadrados.

Esta redução foi resultado de um conjunto de obras estruturantes de macrodrenagem finalizadas em 2017 pela Secretaria Municipal de Obras e Serviços – SMSO:  obras de canalização e viário do Córrego Ponte Baixa e do Córrego do Jardim Letícia (PR-MB); Polder R6 no Ribeirão Aricanduva (PR-AF); e do Reservatório Guamiranga no Rio Tamanduateí na (PR-VP), obra esta em parceria com o Governo do Estado de São Paulo.

No Programa de Redução de Alagamentos (PRA), foram concluídas em dezembro de 2017 obras de reforço de galerias nas ruas Joaquim Odorico Teixeira (PR-MB) e Pinheiro Machado (PR-LA).

Diversas ações complementares ao Programa de Controles de cheias foram conduzinas em 2017, em especial a elaboração de 5 Cadernos de Drenagem de Bacias Hidrográficas do Município, o aperfeiçoamento do Sistema de Alerta de Enchentes do Município e a elaboração de projetos e início de obras de macrodrenagem nos Córregos Aricanduva, Ipiranga, Cordeiro  e Tremembé, além da conclusão de 2 de 9 intervenções de microdrenagem do Programa de Redução de Alagamentos (PRA).