• Ficha TécnicaVer detalhes

    Nome descritivo

    Adotar nos novos projetos para edificações de próprios municipais um novo padrão de uso racional da água e eficiência energética.

    Situação encontrada

    Nas edificações da Prefeitura de São Paulo já são realizados alguns procedimentos que visam à redução do consumo de água e energia elétrica, como a captação e reutilização de águas pluviais, a utilização de materiais hidráulicos (torneiras, válvulas, registros) com sistemas econômicos e o aquecimento de água com aproveitamento de energia solar. No entanto, se mostram necessárias a avaliação de novas alternativas e a inovação dos sistemas utilizados com o objetivo de dar um salto de eficiência nas edificações municipais.

    Resultados esperados

    Redução do consumo de água e energia elétrica.

    Orçamento

    Recursos próprios Outros recursos
    Investimento R$ 6,2 milhões R$ 0,0 milhões
    Custeio R$ 0,1 milhões R$ 0,0 milhões
  • Execução OrçamentáriaVer detalhes

    Execução Orçamentária – 2017

    Recursos próprios Outros recursos Total
    Investimento R$ 0,000 milhões R$ 0,000 milhões R$ 0,000 milhões
    Custeio R$ 0,000 milhões R$ 0,000 milhões R$ 0,000 milhões
    Total R$ 0,000 milhões R$ 0,000 milhões R$ 0,000 milhões

    Para informações sobre os critérios para apuração da execução orçamentária, clique aqui.

    Informações Adicionais

    julho/2018

    A ausência de execução orçamentária relativa ao Projeto 48 em 2017 deve-se ao fato de que, até o momento, para produção do Manual de Sustentabilidade, foram utilizadas apenas horas de trabalho das equipes já existentes no Departamento de Edificações da Secretaria.

Linhas de Ação
  • 48.1 Desenvolver um padrão de edificações de próprios públicos com dispositivos de eficiência energética e uso racional da água

    Regionalização
    Suprarregional

    Marco
    Publicação do manual de eficiência energética e uso racional da água

    Status da Linha de Ação
    Concluída

    Último dado disponível: -
    Última atualização: julho/2018


  • 48.2 Implantar projeto piloto

    Regionalização
    Suprarregional

    Marco
    Implantação do projeto piloto com os dispositivos definidos

    Previsão Inicial
    2º Semestre de 2019

    Status da Linha de Ação
    No prazo

    Último dado disponível: -
    Última atualização: julho/2018


  • 48.3 Revisar os projetos existentes (passíveis de adequação) visando a adequá-los ao novo padrão

    Regionalização
    Suprarregional

    Descrição do Indicador
    Índice de adequação de projetos

    Previsão Inicial
    Primeiro resultado disponível no 2º semestre de 2018

    Status da Linha de Ação
    No prazo

    Execução da linha de ação
    Valor Base 2017 2018 2019 2020 - Projeção para
    2017-2020
    1º Sem 2º Sem 1º Sem 2º Sem 1º Sem 2º Sem 1º Sem 2º Sem -
    Valores acumulados - 1
    Valores por perí­odo - -

    Último dado disponível: -
    Última atualização: julho/2018


  • 48.4 Desenvolver as novas demandas de projetos conforme padrão de edificação definido

    Regionalização
    Suprarregional

    Marco
    Elaboração dos projetos dentro do novo padrão (novas demandas)

    Previsão Inicial
    2º Semestre de 2020

    Status da Linha de Ação
    No prazo

    Último dado disponível: -
    Última atualização: julho/2018


Informações Adicionais
julho/2018
A Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras (SIURB) lançou em abril o Manual de Sustentabilidade para Edificações Públicas, contendo as diretrizes e parâmetros sustentáveis que serão referência para os novos projetos de edifícios municipais.

O manual consolida as boas práticas adotadas pela Prefeitura nos projetos de novas edificações, visando o uso racional e sustentável dos recursos naturais por meio de novas tecnologias de menor impacto ambiental e de matérias-primas mais eficientes. O manual passará a ser um instrumento obrigatório para as futuras contratações de projetos e obras de escolas, hospitais, centros culturais e bibliotecas, por exemplo.

O guia aborda conceitos como o uso de equipamentos elétricos, sistemas de iluminação e ar condicionado de alta eficiência energética; redução de consumo, reaproveitamento da água e implantação de coletores solares para aquecimento da água; além da gestão dos resíduos durante a construção. Todas essas medidas permitirão uma melhoria significativa na eficiência energética e no uso racional da água.

Cada novo projeto de edificação pública receberá um selo de sustentabilidade concedido por EDIF. Para que um projeto obtenha a certificação, deverá atender pré-requisitos em diversas áreas que englobam a concepção e a execução de uma edificação pública ao longo de todo o seu ciclo produtivo.

Conforme a pontuação obtida nos critérios de certificação, o projeto receberá um selo equivalente: Selo EDIF 80, certificação básica; Selo EDIF 100, certificação intermediária; Selo EDIF 120, certificação superior; e Selo EDIF 150, certificação premium.

A intenção da Prefeitura é que o Manual de Sustentabilidade esteja em constante revisão e atualização, acompanhando a evolução das tecnologias do setor.

O Manual de Sustentabilidade para Edificações Públicas está disponível no link:

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/infraestrutura/arquivos/MANUAL_TECN_REV_MAIO_4.pdf

janeiro/2018

O Manual de Sustentabilidade para Edificações Públicas (linha de ação 48.1), elaborado pelo Departamento de Edificações (EDIF) da Secretaria Municipal de Serviços e Obras (SMSO), foi desenvolvido para consolidar as boas práticas adotadas pela Prefeitura nos projetos de novas edificações, contemplando os seguintes tópicos:

• Projeto Integrado, que considera um ciclo de tomadas de decisões, iniciado na fase de pré-projeto e até o final da vida útil de operação da edificação;

• Concepção - planejamento e projeto de edificações: aborda os estudos de viabilidade de implantação do equipamento público, o projeto de implantação do equipamento, a arquitetura passiva que analisa o conforto térmico, luminosidade e acústica dos ambientes, bem como os materiais envolvidos;

• Eficiência Energética: considera a otimização no uso dos equipamentos elétricos, eletromecânicos, motores e elevadores; eficiência dos sistemas de iluminação e de ar-condicionado bem como a viabilização de sistemas de microgeração fotovoltaica conectado à rede elétrica;

• Uso Racional da Água: contempla sistemas de reaproveitamento da água, dispositivos de redução de consumo e outras recomendações;

• Execução da Obra: trata da preparação e racionalização do canteiro de obras, e da gestão dos resíduos de construção;

• Critérios de Certificação: apresenta os critérios para obtenção do Selo de Sustentabilidade EDIF.Este manual será um marco para as edificações públicas da PMSP, devendo ser constantemente avaliado e atualizado, a fim de acompanhar a evolução das tecnologias aplicadas nas edificações para obter melhor sustentabilidade nas construções públicas.